segunda-feira, 13 de abril de 2009

Ok, respira...

E no espírito do dia: Feliz Páscoa!! (sem ovo pra mim, snif, snif)

Tá, estou mais calma depois de fazer a minha maratona de leitura de blogs. Principalmente lendo o blog da Mari, que me inspirou pra aproveitar mais a minha jornada por aqui...

Vou tentar colocar algumas informações relevantes que justifiquem meu estado de espírito atual.

1) Não sei se já postei aqui, mas estou morando em Madison agora, mas vou me mudar com a família para North Carolina em junho. A casa já está comprada, e nesse fim de semana foi pra lá a primeira mudança. Então lá fomos nós pra lá novamente. Não me leve a mal, o lugar é maravilhoso, a casa é divina, mas viajar com 2 crianças mimadas e choronas e ter que passar a segurança de aeroporto (leia-se: tirar sapatos, casacos, brinquedos, laptops de bolsas, líquidos e o diabo a quatro) não é a coisa mais divertida do mundo. Além disso, eu não conheço uma alma viva lá e não tenho carro, então fico presa a eles 24/7. E no fds, eu PRECISO ficar o mais longe de crianças possível para poder sobreviver à semana!!

2) Estou morando aqui há mais de um mês e não conheço quase ninguém. Conheci algumas aupairs bem legais, inclusive umas brasileiras, mas não sei porque, não tá rolando uma vida social muito agitada. Talvez seja por eu ainda estar meio que de luto por não ter minhas amigas de Jersey aqui por perto, talvez porque eu sabia que daqui a pouco vou ter que deixar o pessoal daqui e me mudar denovo... a questão é que eu sabia que isso ia acontecer, então acabei atirando no meu próprio pé...

3) A dinâmica da casa aqui é TOTALMENTE diferente da outra família. A mãe até tem uma boa noção pra educar os filhos, mas o pai mima os coitados até não poder mais. E quem fica trabalhando em casa quando eu estou cuidando deles? O pai, claro. E o que as crianças fazem toda vez que choram (pelos motivos mais absurdos e injustificáveis)? Correm para o pai. Ae eu pergunto, quando que esses seres vão me respeitar? Ae eu respondo: nunca. Bem, mas isso faz parte do meu tiro no pé. Eu sabia que o pai trabalhava em casa e aceitei vir assim mesmo. A gente é besta, né...acha que com a gente vai ser diferente.. NÃO É!

4) Não sei se é a solidão, a dificuldade de adaptação com a família, ou o tempo que já está longo, mas eu estou com uma vontade enorme de votar pra casa. Pra falar a verdade, o que me segura aqui é o bom e velho $$$, as viagens que eu tenho planejadas, e o medo de falar pra family que eu quero largar tudo e ir embora.

Ah, gente, não queria fazer um post tão depressivo, de verdade. Mas é assim que eu estou me sentindo no momento. Talvez amanhã eu tenha algo mais inspirador pra falar.

Ae segue a foto dos pentelhos. Eles sabem ser fofos, admito. Mas eu olho pra eles e só consigo ver o choro estridente que eu escuto cerca de 14 (sim, eu contei) vezes por dia.

Feliz Páscoa!! Comam ovos por mim, quem puder...hehe

Bjobjo

2 comentários:

Morrocoy disse...

Olá Aline! Meu nome é Mariana, te achei através do blog da Fernanda Finkler, sou uma quem-sabe-até-o-fim-do-ano-serei-futura-aupair entende? Na ansiedade, estou lendo blogs e acompanhando um pouco da vida de vocês.
Gostei do seu blog! Você escreve com sinceridade e parece uma pessoa muito simpática.
Um abraço!
Mári

Mari Z. disse...

Oi, Line!! Tudo bem, querida?
Fiquei tãão feliz que vc se inspirou no meu post pra poder dar uma recomeçada... tudo bem que tem horas que a gente liga no automático, mas o que vale sentar e ficar esperando o tempo passar com tanta coisa pra se fazer, não é mesmo?
Um beijão e força na peruca agora na sua nova fase!!
Mari.